Heidi Saha – A Vampirella de 14 anos

Enquanto fazia pesquisas sobre a história do Cosplay, alguém me marcou numa postagem no Facebook e de lá eu me deparei com um nome, Heidi Saha. O que me intrigou nas fotos é o fato dela parece muito jovem para as vestimentas de Vampirella que estava usando.

TorCon 2/WorldCon 1973, Toronto

A foto de uma convenção em Toronto de 1973 trás uma menina com muita maquiagem e um biquini vermelho (revelador), posando com a pose clássica da personagem Vampirella

criada por Forrest J. Ackerman em 1969

Ela estava realmente linda na sua personificação do personagem, o problema é que ela tinha 14 anos na época e foi altamente exposta a situações e pessoas questionáveis.

Achei muitos textos sobre ela e as convenções, mas poucos são pé no chão. MUITO são quase uma versão romantizada. Chegando a conter os seguintes trechos :

“… ela é Lilith, Lolita e Lorelei que se fundiram em uma jovem fantástica em torno do qual já existe um culto.”

“No chamado mundo real, entre os animais de ficção científica e Comicdom … agora anda uma grande beleza. A jovem Deusa conhecida como Heidi: flexível, loira junco da feminilidade, curvando-se ao vento dos suspiros dela pretendentes, seus suores feridos Heidi, o encantador, o morador da vida cheia na nuvem rosa de fantasia e maravilha Heidi – incrivelmente refrescante, suave e tímida, excitante – Heidi – uma mistura poética de fantasia e realidade maravilhosa “

A saga dessa menina me intrigou ainda mais quando fiquei sabendo de uma revista rara, que teoricamente, teria fotos mais relevadoras dela.
Segue trecho que achei durante a pesquisa :

“Muito do que está escrito sobre Heidi Saha na internet acontece nos fóruns de fãs e a maioria dos comentários é direcionada a uma rara revista chamada AN HISTÓRICO ILUSTRADA DE HEIDI SAHA, publicada em 1973 por James Warren, com tiragem de cerca de 500 cópias. O item estava disponível apenas pelo correio, como anunciado nas revistas CREEPY, EERIE e VAMPIRELLA de Warren, junto com um pôster de 2 x 3 pés. Normalmente, apenas a capa é vista, mostrando um close de uma linda loira de 13 anos usando um biquíni de pele e segurando uma lança. Esta revista infame, diz-se, contém apenas fotos questionáveis da jovem. Aproveitando-se da notoriedade de um livro que poucos viram, os revendedores conseguiram US $ 1.000 e ainda mais no eBay. Alguns críticos, que nem sequer viram uma cópia e alegam não ter vontade de fazê-lo, condenaram-na como pornografia infantil, uma publicação abominável que deveria ser gravada, baseada unicamente na sua reputação sinistra.”


(tradução do site : https://junglefrolics.blogspot.com/2010/01/much-of-whats-written-about-heidi-saha.html?fbclid=IwAR0iejFU3sHWNuwNlWTAOqDEvVap8MmTrkno4w2sE-YROwTIzW2EckzryUU )

Heidi Elizabeth Saha nasceu em 30 de janeiro de 1959. Filha de Taimi, conhecida apenas por ter escrito um conto, “Progress Report”, para a edição de maio de 1974 da revista de ficção científica PERRY RHODAN. e de Art Saha (1923-1999), ativo em fandom de ficção científica. Ele se tornou um editor da DAW, reunindo várias antologias do “melhor do ano”, pelas quais ganhou muitos prêmios. Ele serviu como Presidente da Sociedade de Ficção Científica de Nova York, também conhecida como Lunarians, bem como Presidente do First Fandom. Ele também é creditado com a criação do termo “Trekkie” em 1967, para descrever os fãs de Star Trek.

Até onde consta, Heidi foi manipulada pelos pais para alcançar o sucesso. Eles pretendiam que ela fosse estrela de cinema.

Achei alguns trechos de comentários da época descrevendo brigas entre os pais dela. Mas nada concreto. Muito do que está relatado, como comentei antes, está romantizado e passou por anos de diz que me disse.

Certamente Heidi não teve uma vida fácil. Como ela sumiu das midias é quase impossível ter a versão dela da história.

Post criado 35

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo